Tags

,

Ramadan Karim

O post de hoje é um post muito especial.Hoje,a irmã Aishah é que vai fazer o post.Ela vai deixar seu depoimento sobre como é viver com a tão famosa poligamia,isso mesmo.Ela conta como é ter o marido tendo uma outra esposa,e mostra que poligamia não é esse bicho de sete cabeças.Quero agradecer de coração a irmã Aishah,por compartilhar conosco sua história.

Então,vamos ao depoimento:

” Meu nome é Aishah (meu nome brasileiro é Fabiana), tenho 33 anos, sou muçulmana a pouco mais de 14 anos alhamduliLlah.
Quando me casei a primeira vez eu era muito nova, tinha 16 anos, com 18 para 19 esse casamento acabou.
Pouco tempo depois, através de uma amiga, eu conheci meu atual marido Muhammad, uns cinco dias depois ele me pediu em casamento e uns dois meses depois estávamos casados alhamduliLlah.
Na época, eu achei um pouco estranho ele me pedir tão rápido, porém não muito, por que vi que era por causa da religião, antes de casarmos eu me converti.
Um ano depois tivemos nossa primeira filha, Jamilah, que agora já tem 13 anos, três anos depois tivemos nossa segunda filha Hannah Nur que agora está com 10 anos, as duas são lindas e boas muçulmanas alhamduliLlah.  
 
Uns anos depois que casamos, o padrasto do meu marido se converteu ao Islam pelas mãos dele, eles já eram amigos a muitos anos. O padrasto do meu marido tinha uma filha do seu primeiro casamento, Hannah (Ana), quando eu me casei ela era uma criança de 9 ou 10 anos, mas todos sabíamos que ela amava o Muhammad, de uma maneira infantil, mas amava.
Os anos foram passando, sempre que era possível Hannah vinha na nossa casa junto com o pai dela, e a víamos sempre que íamos na casa da minha sogra. Quando Hannah estava com uns 13 ou 14 anos, ela sabia que no Islam um homem pode ter mais de uma esposa, estava claro que ela era apaixonada pelo Muhammad, embora tentasse esconder por medo de me ofender.
Nessa época Muhammad começou a me “sondar” para ver o que eu pensava. Eu sempre soube que ele teria mais de uma esposa, fiquei com um pouco de ciúme, mas nada doentio.
Muhammad vem de uma familia de intelectuais europeus de sangue nobre, e nunca foi homem de pedir autorização para quem quer que seja, ele medita, vê se está de acordo com a Shari’a e então age. Quando Hannah tinha  
 
14 anos ele a pediu em casamento para o pai dela, que autorizou, bom, era obvio que ela queria, quando perguntaram para ela, ela ficou com muita vergonha e medo, mas disse que era a coisa que ela mais queria na vida.
Eles se casaram quando ela tinha 16, nessa época para não haverem problemas com a família não muçulmana dela, seu pai pediu que ela continuasse morando com ele, ela vinha nos finais de semana para nossa casa.
Eu sempre amei ela como uma irmã, então, alhamdulillah nunca tivemos problemas.
Quando ela tinha 18 anos, veio morar com a gente. No islam se diz que cada mulher tem que ter sua casa, mas por “casa” se entende uma habitação individual, basta vermos a planta da casa do Profeta (S.A.A.S.) para vermos que as “casas” das esposas dele eram, o que hoje, chamamos de “quartos”.
Hannah está com 22 anos agora, ou seja, casada a 6. 
 
Vivemos a maior parte do tempo todos juntos, Muhammad, eu, Hannah, e as meninas Jamilah, Hannah Nur e a minha princesa de um aninho Ruqayah.
Rezamos juntos, comemos juntos, brincamos juntos.
Muhammad passa uma noite com cada uma de nós duas, e também alterna os passeios (jantar fora, cinema etc)
Não somos ricos, levamos uma vida simples mas muito feliz.
Pretendemos nos mudar para o Marrocos em uns dois anos inshaAllah, Muhammad é estudante de Jurisprudência e Teologia e tem uma bolsa para estudar na universidade Islâmica Al Qarawiyyn de Fes.
 
O que posso dizer da poligamia…
Depende de três coisas para funcionar: 
 
1-As mulheres aceitarem, para isto, ajuda muito se lembrar do Hadith: “Ó mulheres, ainda que vocês limpassem com suas línguas o corpo coberto de pus de seus maridos crentes, não pagariam o bem que eles vos fazem.”
e também:”Se fosse permitido a um ser adorar a outro, seria a esposa adorar o marido.”
2-O marido ser um homem de personalidade forte, que não liga para a opinião de ninguém e ser aquele tipo de homem que você vê que qualquer mulher gostaria de ter, Muhammad é assim alhamduliLlah.
3-O mais importante, todos serem religiosos e sem muitas ambições mundanas.  
 
Mesmo que um dia Muhammad tenha uma terceira e uma quarta esposa, eu aceitaria, e sei que Hannah pensa o mesmo. Não é fácil encontrar um verdadeiro waliAllah (amigo de Deus, santo) como marido, e eu sei que encontrei, AlhamduliLlahi ua ShukruliLlah.”
Espero que tenham gostado,e mais uma vez,obrigada a irmã Aishah.
Maa Salama!
Anúncios