Tags

,

Salam! [casamentoislamico.JPG]

Hoje vou falar do casamento islâmico,outra coisa que confunde bastante as pessoas.Casamento islâmico é simples e prático,nada de tatuagens de henna,grandes festas,vestidos coloridos,nada disso.O casamento islâmico é simples,porque o Islam não veio para complicar ,mas sim para facilitar a vida das pessoas.

Introdução:

Casamento: em árabe, Nikah, que literalmente significa conexão e duplicação.
Islâmicamente: contrato de casamento que legitimado traz uma concordância do Alcorão e da Sunnah.

Nikah é uma tradição (legalizada) praticada pelos mensageiros de Deus. Disse Deus, o Altíssimo, no Alcorão:

“Enviamos mensageiros antes de vós e lhes demos esposas e filhos.” (Alcorão 13:38)



E o Profeta e Mensageiro de Deus, Mohammad (que a paz e a bênção de Deus estejam com ele), disse:

“… e eu caso com as mulheres e aquele que não aceita minhas práticas, ele/ela não pertence a mim.”

É necessário no casamento:

-Duas testemunhas;

-O wali (guardião) da noiva (pai ou qualquer outro responsável por ela).O wali deve ser muçulmano.Se a moça não possui um parente muçulmano,o wali pode ser um muçulmano influente na comunidade islâmica;

-A aceitação dos noivos.Tanto o homem quanto a mulher devem estar se casando por vontade própria;

-O dote(pode ser jóias,dinheiro e etc) do noivo para a mulher ( um voto de amor do noivo com a noiva);

-Alguém que guie a cerimônia.

Sobre o casamento islâmico:

O Profeta e Mensageiro de Deus, Muhammad (que a paz e a bênção de Deus estejam com ele) disse:

“Os jovens que podem enfrentar a dificuldade das despesas com o casamento devem casar-se, porque dessa forma estará protejendo o olhar e a genitália.”

Ilícito é deixar de se casar por achar que assim se adora melhor a Deus. Isto é um desvio do que estabelece as Sunas. O casamento é uma obrigação para aquele que teme cair em adultério (a relação sexual fora do casamento é considerada adultério, seja praticada por casados ou solteiros de ambos sexos). Além disso, é preferível o casamento ao invés da prática voluntária da adoração, tendo em vista seus benefícios. Da tradição profética citada acima, pode-se concluir os seguintes benefícios:

– Desvio do olhar;

– Proteção da genitália;

– Agir de acordo com o exemplo dado e praticado pelo Profeta e Mensageiro de Deus, Muhammad (que a   paz e a bênção de Deus estejam com ele). – Crescimento da comunidade;

– Permitir que homens e mulheres exercitem e usufruam o prazer de seus instintos de uma forma lícita.

– Permitir que homens e mulheres se avaliem uns aos outros pelos meios da convivência. O homem que não vive com uma mulher não sabe quem é realmente a mulher,e vice- versa.

– Aproximar as pessoas através de ligações firmes.

No casamento são recitados versículos do Alcorão e o guia do casamento fala sobre importância do casamento dentro do Islam e da comunidade.Depois o wali da noiva(que geralmente é o pai,mas aqui no Brasil,a maioria das muçulmanas são revertidas,por isso o wali acaba sendo um membro influente da comunidade islâmica,o que não há problema) concede a mão dela ao noivo dizendo algo similar a isso:

Caso-te com minha filha,de acordo com os preceitos do Alcorão e da tradição do Mensageiro de Deus”

E o noivo por sua vez diz?

“Aceito e estou de acordo com o dote combinado”
As festas muçulmanas são formas de adoração a Deus e, portanto, a festa de casamento também  é. Deve ser dito que não existe uma cerimônia de noivado e/ou de casamento islâmico. Há uma festa de “urs” (núpcias) e uma outra chamada “walimah”(banquete aos convidados).

No Brasil diz-se que “quem casa quer casa”, o que quer dizer que quem se casa precisa de um lar. Os recém-casados preferem consumar o casamento em sua própria casa, aquela escolhida para a futura moradia.Consequentemente, não existe a viagem de lua-de-mel, porque se espera que a vida em comum seja uma eterna lua-de-mel.

Após a cerimônia os noivos oferecem o “walimah”(banquete”) aos convidados.

Se a festa de casamento (“walimah”-banquete) for separada,é permitido que as mulheres se reúnam para cantar e dançar.

Cena número 1: É mais do que desejável que as mulheres sejam apresentadas na festa do “urs”, que deverá ter instrumentos musicais e canções, o que torna oficial a aceitação pelas partes, do anúncio do casamento. Há um relato de uma tradição do Profeta e Mensageiro de Deus, Muhammad (que a paz e a bênção de Deus estejam com ele), sobre isto e, o mais interessante, é que uma mulher pode realizar a cerimônia de casamento. Aisha disse que ela realizou o casamento de uma mulher com um homem dos ansar (o nome de uma comunidade muçulmana), e, então, o Profeta de Deus (que a paz e a bênção estejam com ele) disse: “ó Aisha, não há divertimento com você? Porque os ansar gostam de diversão.” Também faz parte da tradição que a festa da declaração de casamento “urs”, seja feita rapidamente.

Cena número 2: A “noiva” participa da recepção com os convidados, inclusive os masculinos. É da tradição a citação de que quando Abu Usaid Assa-idy se casou, ele convidou o profeta e seus companheiros (nome dado aos muçulmanos que abraçaram o Islam e que conviveram pessoalmente com o Profeta Muhammad), não tendo sido oferecido qualquer comida, exceto a que foi ofertada por Um u-said (a noiva). Portanto, coube à noiva, que servia os convidados pessoalmente, ainda que fosse a noiva naquele dia.

Curiosidade: não existe uma roupa específica para ser usada no casamento. A “inovação” da roupa branca adotada por não muçulmanas veio de Maria Stuart, da Escócia. Outra curiosidade é o ditado árabe (não necessariamente muçulmano) que diz: as pessoas agem como seus reis na religião, razão pela qual esta roupa foi adotada pelas mulheres em todo o mundo.

Cena número 3: O Islam é, por excelência, contrário a complicações e o casamento é anunciado na presença de testemunhas. Há o registo no cartório de um documento escrito, para preservar direitos do casal e de seus descendentes. O detalhe é que a mulher que está se casando pela primeira vez, levando-se em conta sua timidez em frente aos presentes, não precisa declarar sua aceitação em voz alta. A sua não-aceitação é que deve ser expressa em voz alta para que todos a ouçam.

A mulher que se casa pela segunda vez ou mais, o escrevente somente registrará sua aceitação após a sua manifestação em voz alta para que seja ouvida pelas testemunhas. Este ato pode ser preferencialmente feito na mesquita ou em qualquer outro local da escolha do casal comprometido.

Cena número 4: Na noite de núpcias, faz parte das boas maneiras que o noivo coloque sua mão sobre a cabeça da noiva e peça a bênção de Deus, de acordo com uma tradição do profeta: O noivo deve sempre colocar sua mão na frente da cabeça da noiva e mencionar o nome de Deus, o Todo Poderoso, e pedir Sua boa vontade.

Cena número 5: Faz parte da tradição que os noivos rezem assim que fiquem sozinhos. Se o noivo ou a noiva estiverem sozinhos, eles devem juntos fazer duas prostrações e pedir a Deus a compreensão do outro e solicitar proteção contra o mal no outro, após o que podem ter relações sexuais. No Islam, não há espaço para atitudes românticas, tais como levar a noiva no colo para dentro de casa.

De acordo com o escritor francês, Fustel de Coulanges, em seu livro “La Cité Antique”, onde ele descreve antigos costumes romanos, esta atitude acontecia quando a noiva, que tinha seu próprio deus, que não era o deus de seu noivo, comprometia-se a adorar o deus do marido. Assim, ele tinha que carregar a esposa em seus braços com todo o cuidado para que os pés dela não tocassem o chão da casa, santificada pelos deuses que ela ainda não adorava. Somente após a aceitação dos deuses domésticos do marido é que ela estava apta a tocar o chão. Como se vê, faz parte de um costume politeista de Roma e também da antiga Grécia. é bem provável que venha daí o gesto de o noivo de levar sua noiva para a cama. O Islam, religião monoteista por execelência, não inova introduzindo outras práticas que são parte de uma cultura politeista por exelência.

Cena número 6: A obrigatoriedade do “walimah” consiste de uma tradição islâmica. Consta de uma tradição profética que ele disse: a diferença entre o casamente e o ato sexual ilícito é o seu anúncio público.

Cena número 7: As despesas do “walimah” não devem ficar restritas aos parentes. É bom que os amigos do casal colaborem com o “walimah”.

Cena número 8: É da boa educação aceitar o convite para o “walimah”. O Profeta e Mensageiro de Deus, Muhammad (que a paz e a bênção de Deus estejam com ele) disse: “Se alguém é convidado para comer, deve aceitar este convite. Se quiser, pode comer ou não.”

Cena número 9: Ao invés dos tradicionais cumprimentos do tipo “harmonia e muitos filhos”, dizer, por exemplo: Que Deus os abençoe e que Sua bênção esteja com vocês e que os mantenha unidos na boa vontade.”

FONTES:

Alcorão
Sahih Al Bukhari
Sahih Muslim
Sunan Abu Dawoud
As Boas Maneiras na Suna, escrito por Muhammad Nasruddin Al Albani, 5ª Ed.

Nota: O presente trabalho foi escrito por Anas Ayoubi, 15, estudante da 8ª série do Lycée.

SITE:http://www.sbmrj.org.br/familia-casamento.htm.

Então,o casamento islâmico é simples.Para quem não entendeu tudo,aqui vai um resuminho bem “inho” do casamento no Islam.

Na mesquita,em casa,ou em qualquer outro lugar ocorre o casamento.Os noivos podem vestir a roupa que quiserem,e a mulher pode usar branco(ah,a mulher usa hijab).É necessário a presença de 2 testemunhas,o wali(guardião) e o guia,que fará o casamento.Recitam o Alcorão,o guia fala sobre o casamento e o wali entrega a mão da noiva para o noivo.Depois há o “walimah”,uma espécie de banquete para os demais convidados.No “walimah” mulheres podem dançar e cantar se a festa for separada.Depois há a noite de núpcias,onde o noivo pede a benção de Deus para a noiva.E por fim,não há uma lua-de-mel segundo as tradições islâmicas,porque espera-se que o casamento seja um eterna lua-de-mel,mas poderá haver uma lua-de-mel se os noivos assim desejam.

Para melhor compreensão recomendo ouvirem a esse áudio,que fala sobre o casamento depois da cerimônia:

http://www.4shared.com/account/file/110914753/7b08e898/Casamento-_Virtudes_e_Conflito.html

PS1:Não foi em quem fiz o texto.Fui um estudante,como diz no final do texto.

PS2:Algumas partes do texto eu mesma fiz.

Maa Salama!


Anúncios